Início > Cibercultura, Educação, Jovens, Psicologia, TI > A ATIVIDADE HUMANA E A TEORIA DO "FLOW"

A ATIVIDADE HUMANA E A TEORIA DO "FLOW"

No último mês, venho focando as minhas energias – ou tentando concentrá-las melhor! – em minha recente pesquisa a respeito dos jogos virtuais e seus impactos para a questão da construção e regulação da subjetividade. Este é um tema instigante, e que desperta a minha atenção desde o meu Doutorado em Psicologia, concluído no ano de 2000 na PUC-Rio, e que estou tendo a feliz oportunidade de retomá-lo aqui na Uerj com a formação de um projeto e um grupo de pesquisa bastante interessante e motivado e esse respeito.

Dentro das pesquisas que venho fazendo sobre a literatura sobre games, a referência a uma teoria a respeito da experiência subjetiva que ocorre na mente dos gamers é onipresente. Trata-se da teoria do “flow” – em uma tradução livre, algo como “fluxo” ou “estado de imersão” -, proposta pelo psicólogo norte-americano de origem húngara e professor da Universidade de Chicago Mihaly Csikszentmihalyi (pronuncia-se como “chick-sent-me-high”). Sua interessante teoria aborda o estado mental de um indivíduo engajado em uma atividade qualquer onde encontra-se complementamente focado, envolvido e energizado – tal como acontece nos jogadores de games. Para ele, estas são as características de uma atividade produtiva de “flow”:

1. Prontidão para a atividade.

2. Foco na atividade.

3. A atividade precisa ter metas claras.

4. A atividade precisa ter um feedback direto.

5. O indivíduo experimenta uma sensação de controle da atividade.

6. Suas preocupações e aborrecimentos desaparecem.

7. A experiência subjetiva de tempo é alterada.

Além disso, Csikzentmihalyi (nomezinho difícil esse, heinm?!) afirma que a experiência de “flow” está diretamente relacionada ao Desafio que a tarefa impõe e as Habilidades do indivíduo requeridas para tal. Quando o Desafio é maior do que a habilidade do indivíduo, o seu estado mental é de ansiedade seguida de frustração, levando-o a abandoná-la. Caso contrário, quando o Desafio é menor do que a sua habilidade, o indivíduo acaba enfadado e de “saco cheio”, levando-o também a abandoná-la.

Logo, a chave para a manutenção de um estado psíquico de “flow”, segundo o autor, é a busca de uma atividade que possa balancear estas duas variáveis, e que acabe proporcionando ao indivíduo uma situação que simultaneamente proporcione envolvimento e diversão, sem que o mesmo perceba a passagem do tempo. Evidentemente, tal experiência ocorre com bastante frequência em gamers quando estão em plena situação de imersão no jogo.

Em decorrência disto, divertir-se é o resultado direto de uma experiência de “flow”, produto de uma combinação fecunda entre o Desafio imposto pela tarefa e as Habilidades que o indivíduo possui. Bem entendido, a experiência de “flow – fun” (“fluxo – diversão”) pode ser obtida não apenas em situações lúdicas (seja individualmente ou em grupo, real ou em situações virtuais), mas também em atividades produtivas (trabalho e estudo), nas interações sociais cotidianas (reais e virtuais) e nas atividades de consumo. A chave para a superação dos males da contemporaneidade – leia-se, as sensações de enfado, de ansiedade e de frustração – passa pela promoção de estados de “flow-fun” cada vez mais instigantes, intensos e recompensadores.

Costumo dizer em minhas aulas que o sonho de qualquer professor é ter alunos tão interessados, energizados, motivados e participativos quanto os observados quando estes estão jogando, navegando na rede, teclando no MSN ou simplesmente alimentando suas redes sociais físicas e virtuais. Será que é possível criar situações educacionais que possam despertar nos alunos esses estados psíquicos?

E os meus leitores? O que acharam desta teoria? Será que vocês já tiveram esse tipo de experiência de “flow – fun” acima descrita? Elas são frequentes ou esporádicas? Em quais situações de suas vidas elas mais ocorrem?

Desculpem a série de perguntas, mas sou deveras curioso e instigado por estas questões. Logo, os comentários dos meus queridos e indulgentes leitores serão de extrema valia para a pesquisa que estou iniciando…
Anúncios
  1. Filipe N. Frota
    novembro 26, 2009 às 1:11 am

    Interessante esta teoria de Flow Fun. Acho que tenho algo a observar em quanto a como instigar o estado Flow Fun em situações educacionais… Há algum tempo li um artigo no site da HSM sobre a dificuldade que as instituições de ensino tem de fomentar a leitura e a capacidade de uma boa escrita na Geração Playstation. Nesse artigo o autor fala das características dos jovens, a aversão deles pela leitura e pondera se a chegada do Kindle contribuirá com a tarefa de cativar os jovens com a leitura. O modelo de ensino das escolas ainda tem bastante campo para evolução diante das grandes transformações tecnológicas que temos vivido desde a explosão da Internet. Neste momento postei em meu comentário o seguinte: “Porque as instituições de ensino não investem em jogos interativos por matéria? Aonde, de uma maneira divertida, cativante e com apoio de gráficos interessantes; os alunos tenham que dispor de conhecimentos da matéria em questão para avançar no jogo, e o seu score se traduz nos pontos obtidos no seu dever / trabalho.” Eis a forma como penso que se pode criar um estado de Flow Fun intenso em situações educacionais; jogos interativos e simuladores desenvolvidos para educar enquanto diverte e instiga. Há alguns dias estive investigando se existem simuladores de Business Strategy para “brincar” e praticar conceitos de management e marketing em meus tempos de ócio. Existem alguns games no mercado que são utilizados por universidades para trabalhos em equipe. Aqueles que pareciam ser mais interessantes não oferecem free trials e dependem de ter um grupo para designar uma função para cada player. Ainda não encontrei um joguinho que me motivasse fazer download. A empresa Oi já usa um aplicativo chamado Jogos de Negócios no seu processo de recrutamento para o programa de Trainee Executivo, do qual participei e senti este estado de Flow Fun em alguns momentos. Bom, o tempo restrito que tive para resolver o jogo me deixou ansioso à medida que chegava o final. No jogo você tinha que tomar diversas decisões estratégicas de investimentos e marketing, visando aumento de clientes, incremento do EBITDA e da conta media mensal por cliente, mantendo o grau de endividamento da empresa dentro de uma zona determinada. Há campo para estes avanços…. Seria bacana ter um jogo virtual como trabalho em grupo na FGV!

  2. José Mauro Nunes
    novembro 26, 2009 às 5:37 pm

    Olá Fábio, tudo bem contigo?Muito interessante o seu comentário, e concordo inteiramente com o fato de que os jogos digitais podem contribuir (e muito!) para o treinamento e o desenvolvimento de habilidades e competências cognitivas dos mais variados tipos. E também penso que o uso de recursos gráficos em 3D e simulações, bem como a inserção de elementos que promovam uma maior interatividade usuário-ferramenta e usuário-usuário devem ter um peso importante na confecção de games educativos e empresariais.Para finalizar, a título de explicação, na parte final de seu MBA na FGV há uma disciplina de Jogos de Negócios onde vc. terá contato com uma ferramenta digital desenvolvida pela própria equipe da FGV.Muito obrigado pela visita, e volte sempre! Seus comentários são sempre muito bem-vindos!Um grande abraço!

  3. bields84
    agosto 16, 2010 às 8:33 pm

    também concordo que jogos melhoram habilidades cognitivas, se feitas de modo prudente, sem vicios.

    gostei do blog e do post sobre psicologia!

    dá uma olhada no meu blog http://psicologiaparatodos.16mb.com

    se quiser que eu coloque algum post seu lá, é só me avisar, que coloco e ponho referencias.

    Abraços

  4. bields84
    agosto 22, 2010 às 5:23 am

    Olá passei aqui de novo para avisar que o blog de psicologia antigo saiu do ar devido aos muitos acessos simultaneos, entao, estou aqui pra te avisar do novo blog: ==> http://psicologiaparatodos.orgfree.com/blogpsicologia

    não esqueça de visitar! Pode esquecer o outro endereço!

    Abraços!!!!!!!!

    biel

  5. dezembro 13, 2011 às 8:05 pm

    Entao,após a minha fase de crise existencial,a qual creio que todos ja passaram se tiveram algum costume de estudo.Porque pessoas que nao estudam tendem a ficar na mesma e a crise nao vem.Enfim o assunto nao é esse entao nao ha porque entrar em pormenores.Apos minha crise existencial toda energia psiquica que havia em min foi dedicada ao estudo.Passava horas e horas lendo na internet e impressas coisas de que nem imaginava existir,apelidadas por minha mae de´´livros de louco´´e aquilo me levava a um estado de ´´flow-fun´´completo.Ate hoje isso nao saiu,porque basta eu ficar alguns dias sem algo que force minha mente,me da uma grande dor de cabeça e uma ideia de que estou fazendo nada,porem quando ocupo a cabeça com algo que intriga tudo muda.Entao a receita para saber o incentivo a leitura é saber um pouco da vida de cada aluno e prever o que interessaria a ele.Alguns ja se interessam por ciencia,outros por matematica.Porem o maior problema ja é no ensino médio.Alguns ja querem ler sobre o curso especifico,como é meu caso da psicologia.Outros de engenharia etc…O problema disso tudo é que se o tema de preferencia do aluno nao fazer parte dos temas padroes sua nota vai abaixo da media ou ruim e ele tera algum problema para conseguir a entrada para a faculdade.Enfim,o metodo ja foi aplicado por min e ja incentivei pessoas a lerem,mas a escola vai por agua abaixo como aconteceram com as minhas notas.Como resolver isso?ate agora nao achei a soluçao.

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: