Início > Cinema, Documentário, Heavy Metal, Música, Rock, Trash Metal > NÃO VI, MAS JÁ GOSTEI!

NÃO VI, MAS JÁ GOSTEI!

Todos os pouquíssimos – porém aguerridos – leitores do PRAGMA sabem do gosto desse Escriba que vos fala por qualquer som pesado. Heavy Metal, Hard Rock, Thrash Metal, Speed Metal, Death Metal, Hardcore, Crossover, Industrial, todo e qualquer tipo de música que simule o som de uma britadeira no cérebro me agrada muito! Afinal, como qualquer headbanger, o negócio é bater alucinadamente a cabeça ao som de diversas bandas que fizeram a história do rock…

A lista dos meus gostos é enorme, e é uma injustiça tentar elencá-la sob pena de esquecer alguém. Mas, de qualquer forma, vamos tentar: Led Zeppelin, Deep Purple, Black Sabbath, Whitesnake, Motorhead, Iron Maiden, Metallica, Slayer, Anthrax, Megadeth, Kreator, Helmet, Nine Inch Nails, Judas Priest, Ministry, Exodus, Testament, Sepultura, Soulfy…

O som pesado surge no final dos anos 1960, e vai ganhando corpo a partir dos anos 1970, sendo a segunda metade da década de 1980 um dos períodos mais férteis para a história do heavy metal. Da Europa, surge uma leva de bandas britânicas – Samson, Saxon, Iron Maiden, Def Leppard – que revolucionaram o som pesado. Da Costa Oeste norte-americana, surge a garotada que praticava um som baseado em riffs de guitarra alucinados, baterias ensurdecedoras e rápidas (graças ao santo “pedal duplo”!) e solos ensadencidos. Essa molecada – leia-se Metallica, Slayer, Megadeth, Exodus e Anthrax (esse último da Costa Leste) – criou o thrash metal, um dos movimentos mais empolgantes e criativos de toda a história da música pesada…

Todas essas bandas estão na ativa até hoje, e o Metallica é aquela que obteve o maior sucesso comercial dentre todas. O Slayer continua cada vez mais radical e insano, o Exodus vem lançando uma série de discos muito bons e o Anthrax é um dos pioneiros da fusão entre o trash metal e o hip-hop.

No entanto, estava faltando algo para dar uma maior respeitabilidade a essa história. Nesse mês de outubro, foi lançado nos EUA o documentário Get Thrashed: the story of thrash metal, dirigido por Rick Ernst e Rat Skates (ex-integrante da banda thrash metal Overkill).

Baseado em imagens da época captada de fãs e de documentários musicais, o filme passeia pela história de um gênero musical que completou 25 anos, e que se vê renovado não apenas pelo retorno triunfal de seus expoentes – o poderosíssimo Death Magnetic, do Metallica, é o maior exemplo disso -, mas pela influência que o gênero exerceu (e ainda exerce) em bandas atuais como Slipknot, Machine Head, Fear Factory, Merciless Death, Municipal Waste, Evile, Fueled By Fire, dentre tantas outras.

Parodiando um grande amigo desse Escriba, não vi mas gostei! Para o deleite dos meus leitores, abaixo o trailer do documentário…

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: