Início > Culinária, Gastronomia, Vinhos > AS RAZÕES PARA SE BEBER O VINHO BRANCO

AS RAZÕES PARA SE BEBER O VINHO BRANCO

Muitos amigos meus dizem que “vinho é vinho tinto”. Realmente, o brasileiro ainda não têm o hábito de degustar o vinho branco – apesar do crescimento dos espumantes e rosés -, culpa em grande parte da importação de vinhos desse tipo de baixa qualidade nos anos 1990. Quem não se lembra dos vinhos alemães de “garrafa azul” e os Liebfraumlich da vida? Doces, enjoativos e cansativos…

Esse Escriba é uma prova viva desse preconceito, e raramente eu degustava uma taça de vinho branco. Achava-os “sem graça”, “sem vida” e bastante ligeiros. Mas, a minha vida mudou quando eu começei a beber grandes vinhos brancos. É uma benção dos deuses abrir uma garrafa de um Riesling ou Gewürztraminer da região da Alsácia (França), bem como um Torrontés de Mendoza (Argentina). Se tiverem essa oportunidade, não a desperdicem! Vale muito, mas MUITO a pena mesmo…

Como informação relevante, o Brasil atualmente é um dos produtores mais conceituados do mundo em termos de vinhos brancos e espumantes – o nosso terroir é adequado para as castas de uvas brancas como a Chardonnay, a Sauvignon Blanc, a Riseling, a Gewürztraminer

Como hoje é sábado, o negócio é apreciar uma bela garrafa de vinho branco. E aproveito o ensejo para listar alguns motivos para se bebericar esse bálsamo de Baco, a partir do artigo de Marcelo Copello (editor-chefe da revista Adega), publicado na edição desse final de semana do jornal Gazeta Mercantil. Ei-la-as:

1. Por vivermos em uma clima quente – quando não tórrido -, o vinho branco é mais leve, mais fácil à digestão e servido em temperaturas bem mais baixas, o que garante a sensação de refrescância.

2. O vinho branco faz tão bem à saude quanto o vinho tinto, com uma vantagem sobre esses últimos: não causa alergia e enxaquecas em pessoas que são sensíveis aos polifenóis e histaminas, presentes na composição dos vinhos tintos.

3. A versatilidade dos vinhos brancos na mesa é muito maior, combinando com saladas, frutos do mar, aspargos, escargots, foie gras, carnes brancas, doces, além de “casar” com uma variedade maior de queijos (os casos “clássicos” do fondue de queijo e das raclettes são exemplares), enfrentando com galhardia cozinhas “exótocas” e de difícil combinação como as chinesa, japonesa, tailandesa e indiana – muito em moda no Rio de Janeiro, nos dias de hoje.

4. Ao contrário do que se imagina, vinhos brancos também “envelhecem” e evoluem com o tempo na garrafa. Chardonnays, Rieslings e Semillons de diversos países são exemplos de vinhos brancos de “guarda”.

E lembrem-se, meus enófilos leitores: as temperaturas adequadas para o serviço do vinho branco são: para brancos doces (feitos com uvas Moscato e Malvasia, por exemplo), de 6 a 8 graus; para brancos secos e leves (os Gewürztraminner, Sauvignon Blancs e Semillons), de 8 a 10 graus; e, para brancos encorpados (os Chardonnays e Riselings de “guarda”), de 10 a 12 graus.

Agora, vocês me dêem licença que eu estou com uma garrafa bem “geladinha” me esperando! Bom final de semana a todos! Santé!
Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: