Arquivo

Archive for outubro \31\UTC 2007

>FELIZ ANO NOVO CELTA!

>

Para as bruxinhas e os bruxinhos de plantão, que são leitores desse Escriba: hoje, 31 de outubro, se comemora o Ano Novo Celta, uma das datas sagradas dos adeptos da religião dos habitantes de Avalon.

É sabido que o calendário sagrado da religião celta era regido pela passagem das estações do ano. Daí, dois acontecimentos serem os mais importantes no calendário: o Equinócio (época em que o Sol atinge o ponto mais próximo da Linha do Equador) e o Solstício (época em que o Sol atinge o ponto mais distante da Linha do Equador). Daí, Equinócio e Solstício marcarem o início e o final do verão, respectivamente.

O início e o final do verão são comemorados pelos druidas com os festejos de Beltaine e Samhain. Há cerca de 2 mil anos atrás, teve início na Irlanda a comemoração do Festival do Samhain, realizado entre 30 de outubro e 2 de novembro de cada ano corrente, indicando o final do verão e a passagem para um novo ano. Pelo fato dos sacerdotes e sacerdotisas druidas terem sido considerados (as) “bruxos(as)” pela tradição cristã, convencionou-se que na data de hoje se comemora o Halloween (o dia das bruxas, o dia de todos os santos ou o dia do Encontro das Almas). Daí, hoje os caldeirões e os covens do mundo estarem em festa ..

Anyway… Hoje é dia de adorar a Deusa, de reverenciar os antepassados, de celebrar os elementais e as forças da natureza. É também um dia de reverenciar a Lua, de fazer uma prece em cada altar caseiro e de pedir por mais um ano venturoso e glorioso. Dica para os aficcionados e os adeptos da religião Wicca: reler as Brumas de Avalon, ver o filme do mesmo nome, e se deliciar com a saga do Ciclo Arturiano, com a espada Excalibur e a Demanda do Santo Graal

Muitas felicidades e muita paz a todos os druidas do mundo! Feliz Ano Novo Celta!

FELIZ ANO NOVO CELTA!

Para as bruxinhas e os bruxinhos de plantão, que são leitores desse Escriba: hoje, 31 de outubro, se comemora o Ano Novo Celta, uma das datas sagradas dos adeptos da religião dos habitantes de Avalon.

É sabido que o calendário sagrado da religião celta era regido pela passagem das estações do ano. Daí, dois acontecimentos serem os mais importantes no calendário: o Equinócio (época em que o Sol atinge o ponto mais próximo da Linha do Equador) e o Solstício (época em que o Sol atinge o ponto mais distante da Linha do Equador). Daí, Equinócio e Solstício marcarem o início e o final do verão, respectivamente.

O início e o final do verão são comemorados pelos druidas com os festejos de Beltaine e Samhain. Há cerca de 2 mil anos atrás, teve início na Irlanda a comemoração do Festival do Samhain, realizado entre 30 de outubro e 2 de novembro de cada ano corrente, indicando o final do verão e a passagem para um novo ano. Pelo fato dos sacerdotes e sacerdotisas druidas terem sido considerados (as) “bruxos(as)” pela tradição cristã, convencionou-se que na data de hoje se comemora o Halloween (o dia das bruxas, o dia de todos os santos ou o dia do Encontro das Almas). Daí, hoje os caldeirões e os covens do mundo estarem em festa ..

Anyway… Hoje é dia de adorar a Deusa, de reverenciar os antepassados, de celebrar os elementais e as forças da natureza. É também um dia de reverenciar a Lua, de fazer uma prece em cada altar caseiro e de pedir por mais um ano venturoso e glorioso. Dica para os aficcionados e os adeptos da religião Wicca: reler as Brumas de Avalon, ver o filme do mesmo nome, e se deliciar com a saga do Ciclo Arturiano, com a espada Excalibur e a Demanda do Santo Graal

Muitas felicidades e muita paz a todos os druidas do mundo! Feliz Ano Novo Celta!

FELIZ ANO NOVO CELTA!

Para as bruxinhas e os bruxinhos de plantão, que são leitores desse Escriba: hoje, 31 de outubro, se comemora o Ano Novo Celta, uma das datas sagradas dos adeptos da religião dos habitantes de Avalon.

É sabido que o calendário sagrado da religião celta era regido pela passagem das estações do ano. Daí, dois acontecimentos serem os mais importantes no calendário: o Equinócio (época em que o Sol atinge o ponto mais próximo da Linha do Equador) e o Solstício (época em que o Sol atinge o ponto mais distante da Linha do Equador). Daí, Equinócio e Solstício marcarem o início e o final do verão, respectivamente.

O início e o final do verão são comemorados pelos druidas com os festejos de Beltaine e Samhain. Há cerca de 2 mil anos atrás, teve início na Irlanda a comemoração do Festival do Samhain, realizado entre 30 de outubro e 2 de novembro de cada ano corrente, indicando o final do verão e a passagem para um novo ano. Pelo fato dos sacerdotes e sacerdotisas druidas terem sido considerados (as) “bruxos(as)” pela tradição cristã, convencionou-se que na data de hoje se comemora o Halloween (o dia das bruxas, o dia de todos os santos ou o dia do Encontro das Almas). Daí, hoje os caldeirões e os covens do mundo estarem em festa ..

Anyway… Hoje é dia de adorar a Deusa, de reverenciar os antepassados, de celebrar os elementais e as forças da natureza. É também um dia de reverenciar a Lua, de fazer uma prece em cada altar caseiro e de pedir por mais um ano venturoso e glorioso. Dica para os aficcionados e os adeptos da religião Wicca: reler as Brumas de Avalon, ver o filme do mesmo nome, e se deliciar com a saga do Ciclo Arturiano, com a espada Excalibur e a Demanda do Santo Graal

Muitas felicidades e muita paz a todos os druidas do mundo! Feliz Ano Novo Celta!

>O RIO DE JANEIRO SOFRE COM AS MAZELAS DA CRISE ENERGÉTICA

>

Desde hoje de madrugada que o carioca sofre com a incompetência dos gestores da política energética do Governo Lula. Numa decisão típica de gabinete, a Petrobrás anunciou uma redução de 17% do fornecimento de gás natural em São Paulo e no Rio de Janeiro. As principais prejudicadas, além da população em geral, foram empresas de grande porte como a Bayer (em Belfort Roxo, Grande Rio) e a Companhia Siderúrgica Nacional (em Volta Redonda). O resultado da medida desastrosa: linhas de produção paradas, taxistas e motoristas particulares penando em filas nos postos de gasolina, e buscas sem-fim por parte do cidadão-otário na sanha de abastecer o seu carro com o GNV…

Para quem acompanha regularmente o noticiário e leu as entrelinhas da crise da estatal na Bolívia, sabia que mais cedo ou mais tarde o Brasil teria de encarar o problema da diminuição do fornecimento de gás boliviano. O governo Evo Morales, em um arroubo nacionalista típico dos anos 1950, resolveu numa “penada” nacionalizar a extração e distribuição de gás natural no país. De uma hora para outra, as empresas estrangeiras que se dedicavam a exploração da matriz energética do gás natural – e que investiram muito na construção de plantas de extração, produção e distribuição – tiveram de entregar os seus ativos à estatal boliviana YFPB, sob o risco de serem alijadas das reservas bolivianas. Neste bolo, se encontram empresas francesas, espanholas e norte-americanas, mas o foco mesmo era na brasileira Petrobrás – alcunhada como o verdadeiro “Satanás colonial”, segundo a retórica de Moralez e seus asseclas…

De pronto, o companheiro Lula iniciou uma campanha de “apaziguamento” à la Neville Chamberlain, dizendo que um país do porte do Brasil deveria ajudar os seus vizinhos mais pobres – mesmo que isso tivesse um alto custo para os cofres público e as contas da estatal brasileira. O que se viu a seguir foi um festival de gentilezas – travestido por uma retórica dura – por parte da camarilha de bolcheviques lulistas, às custas de empresas e cidadãos que foram convencidos pelo governo de que deveriam converter a sua matriz energética da gasolina para o gás natural. Muitas empresas do Sul e Sudeste do país, bem como taxistas e motoristas particulares que converteram os seus veículos para GNV – diga-se de passagem, incentivados por isenções e vantagens fiscais dadas pelo próprio governo – agora estão aí, a ver navios, à mercê da incompetência e da mentira dos burocratas estatais…

Por muito menos, isso seria motivo de demissão imediata de todo o alto escalão de uma empresa da iniciativa privada… E nos órgãos públicos, que tipo de punição poderia haver para esses mentirosos lesa-pátria?

O RIO DE JANEIRO SOFRE COM AS MAZELAS DA CRISE ENERGÉTICA

Desde hoje de madrugada que o carioca sofre com a incompetência dos gestores da política energética do Governo Lula. Numa decisão típica de gabinete, a Petrobrás anunciou uma redução de 17% do fornecimento de gás natural em São Paulo e no Rio de Janeiro. As principais prejudicadas, além da população em geral, foram empresas de grande porte como a Bayer (em Belfort Roxo, Grande Rio) e a Companhia Siderúrgica Nacional (em Volta Redonda). O resultado da medida desastrosa: linhas de produção paradas, taxistas e motoristas particulares penando em filas nos postos de gasolina, e buscas sem-fim por parte do cidadão-otário na sanha de abastecer o seu carro com o GNV…

Para quem acompanha regularmente o noticiário e leu as entrelinhas da crise da estatal na Bolívia, sabia que mais cedo ou mais tarde o Brasil teria de encarar o problema da diminuição do fornecimento de gás boliviano. O governo Evo Morales, em um arroubo nacionalista típico dos anos 1950, resolveu numa “penada” nacionalizar a extração e distribuição de gás natural no país. De uma hora para outra, as empresas estrangeiras que se dedicavam a exploração da matriz energética do gás natural – e que investiram muito na construção de plantas de extração, produção e distribuição – tiveram de entregar os seus ativos à estatal boliviana YFPB, sob o risco de serem alijadas das reservas bolivianas. Neste bolo, se encontram empresas francesas, espanholas e norte-americanas, mas o foco mesmo era na brasileira Petrobrás – alcunhada como o verdadeiro “Satanás colonial”, segundo a retórica de Moralez e seus asseclas…

De pronto, o companheiro Lula iniciou uma campanha de “apaziguamento” à la Neville Chamberlain, dizendo que um país do porte do Brasil deveria ajudar os seus vizinhos mais pobres – mesmo que isso tivesse um alto custo para os cofres público e as contas da estatal brasileira. O que se viu a seguir foi um festival de gentilezas – travestido por uma retórica dura – por parte da camarilha de bolcheviques lulistas, às custas de empresas e cidadãos que foram convencidos pelo governo de que deveriam converter a sua matriz energética da gasolina para o gás natural. Muitas empresas do Sul e Sudeste do país, bem como taxistas e motoristas particulares que converteram os seus veículos para GNV – diga-se de passagem, incentivados por isenções e vantagens fiscais dadas pelo próprio governo – agora estão aí, a ver navios, à mercê da incompetência e da mentira dos burocratas estatais…

Por muito menos, isso seria motivo de demissão imediata de todo o alto escalão de uma empresa da iniciativa privada… E nos órgãos públicos, que tipo de punição poderia haver para esses mentirosos lesa-pátria?

O RIO DE JANEIRO SOFRE COM AS MAZELAS DA CRISE ENERGÉTICA

Desde hoje de madrugada que o carioca sofre com a incompetência dos gestores da política energética do Governo Lula. Numa decisão típica de gabinete, a Petrobrás anunciou uma redução de 17% do fornecimento de gás natural em São Paulo e no Rio de Janeiro. As principais prejudicadas, além da população em geral, foram empresas de grande porte como a Bayer (em Belfort Roxo, Grande Rio) e a Companhia Siderúrgica Nacional (em Volta Redonda). O resultado da medida desastrosa: linhas de produção paradas, taxistas e motoristas particulares penando em filas nos postos de gasolina, e buscas sem-fim por parte do cidadão-otário na sanha de abastecer o seu carro com o GNV…

Para quem acompanha regularmente o noticiário e leu as entrelinhas da crise da estatal na Bolívia, sabia que mais cedo ou mais tarde o Brasil teria de encarar o problema da diminuição do fornecimento de gás boliviano. O governo Evo Morales, em um arroubo nacionalista típico dos anos 1950, resolveu numa “penada” nacionalizar a extração e distribuição de gás natural no país. De uma hora para outra, as empresas estrangeiras que se dedicavam a exploração da matriz energética do gás natural – e que investiram muito na construção de plantas de extração, produção e distribuição – tiveram de entregar os seus ativos à estatal boliviana YFPB, sob o risco de serem alijadas das reservas bolivianas. Neste bolo, se encontram empresas francesas, espanholas e norte-americanas, mas o foco mesmo era na brasileira Petrobrás – alcunhada como o verdadeiro “Satanás colonial”, segundo a retórica de Moralez e seus asseclas…

De pronto, o companheiro Lula iniciou uma campanha de “apaziguamento” à la Neville Chamberlain, dizendo que um país do porte do Brasil deveria ajudar os seus vizinhos mais pobres – mesmo que isso tivesse um alto custo para os cofres público e as contas da estatal brasileira. O que se viu a seguir foi um festival de gentilezas – travestido por uma retórica dura – por parte da camarilha de bolcheviques lulistas, às custas de empresas e cidadãos que foram convencidos pelo governo de que deveriam converter a sua matriz energética da gasolina para o gás natural. Muitas empresas do Sul e Sudeste do país, bem como taxistas e motoristas particulares que converteram os seus veículos para GNV – diga-se de passagem, incentivados por isenções e vantagens fiscais dadas pelo próprio governo – agora estão aí, a ver navios, à mercê da incompetência e da mentira dos burocratas estatais…

Por muito menos, isso seria motivo de demissão imediata de todo o alto escalão de uma empresa da iniciativa privada… E nos órgãos públicos, que tipo de punição poderia haver para esses mentirosos lesa-pátria?

>SARNEY X CHÁVEZ: CLASH OF THE TITANS…

>

Extra! Extra! Notícia alvissareira! Patriotas do meu Brasil, às armas!

O nosso possante dublê de Senador da República e Acadêmico José Sarney – lembram-se dele? -, proferiu ontem na tribuna do Senado Federal – o órgão legislativo que ultimamente está mais presente nas páginas policiais dos nossos periódicos do que propriamente nas colunas políticas – um duro discurso contra a entrada da Venezuela no Mercosul. Uma resposta diretamente dirigida ao deputado Carlos Escarrá, vice-presidente da Comissão de Relações Exteriores da Assembléia Nacional da Venezuela, que chamou o nosso mui digno e combativo parlamentar de “lacaio” e “servil” aos interesses norte-americanos no Cone Sul.

Para Sarney, a compra de armamento soviético – blindados, aviões de caça, navios de guerra, submarinos e fuzis – por parte do governo do Presidente Hugo Chávez – favor não confundir com o personagem do seriado do SBT! – aumenta em muito as tensões no plano regional. Além disso, o “endurecimento” da política interna da Venezuela indica claramente uma restrição das liberdades democráticas nesse país. José Sarney, um grande defensor das causas democráticas, não poderia deixar de manifestar a sua indignação contra o fato…

Valendo-se da condição de ex-Presidente da República e de um dos criadores do Mercosul – junto com o ex-Presidente portenho Raul Alfonsín -, Sarney chamou a atenção para a existência da cláusula democrática no Tratado de Assunção – a de que afirma que apenas regimes democráticos podem ser aceitos na união aduaneira. Vale lembrar que a inserção dessa cláusula por ocasião da assinatura do Tratado foi vista como um indicador de maturidade, de estabilidade e de confiabilidade por parte dos países signatários da região – uma notícia alvíssara em um contexto político regional até então marcado por golpes de estado, ditaduras militares e a presença de caudilhos “salvadores da pátria”…

Apesar da esquerda festiva afirmar que o governo Chávez é democrático por incluir grandes parcelas de segmentos da população que foram historicamente excluídos, é óbvio que o fantasma de um regime totalitário na Venezuela se torna realidade a cada dia que passa – especialmente com a chegada do fim do regime de Fidel Castro em Cuba, e a necessidade da esquerda em ter um novo líder no continente. A ascensão de governos ditos populares em países como a Argentina, o Brasil, a Venezuela, a Bolívia e o Equador, além da leniência e do descaso da diplomacia norte-americana na América do Sul, definitivamente deu um novo charme e impulso ao projeto da esquerda inclusiva.

O reequipamento das Forças Armadas Venezuelanas faz parte de um script surrado e manjado, que é o de “inventar” um inimigo externo para combater a oposição interna. Que o Chávez é um fanfarrão e boquirroto todos nós sabemos, mas no mínimo é de chamar a atenção o seu compromisso publicamente assumido de proteger o Evo Morales dos ataques da oposição boliviana.

Imaginem se o Chávez resolve virar “fiador” dos governos de esquerda da região? O “santo-protetor” dos governos “bonzinhos” populares contra a oposição direitista e entreguista das elites conservadoras da região? Imaginem o banzé? E o Brasil do companheiro Lula, qual seria a sua posição diante desses possíveis fatos?

Por outro lado, é digno de nota a preocupação do Sarney com a estabilidade do Brasil e da região… Logo ele, governador durante décadas de um dos estado mais pobres da União, Presidente de um governo tíbio, de baixa legitimidade, que inventou um sem-número de pacotes de estabilização econômica que só afundaram ainda mais as contas públicas… O seu mandato se encerrou com taxas cavalares de impopularidade – lembram-se da picareta que jogaram no ônibus dele em 1989, lá no Paço Imperial, no centro do Rio de Janeiro?

Utilizando a terminologia weberiana, Sarney é o “tipo ideal” da elite econômica e política brasileira: parasitária, patrimonialista e totalmente descompromissada com os segmentos mais excluídos e desfavorecidos economicamente. O mais engraçado disso tudo é que isso tudo parece papo do roto falando do esfarrapado, isto é, de caudilho denegrindo caudilho…

É o general da república do petróleo – não das bananas! – sendo criticado pelo coronel de curral eleitoral, escritor de livros que ninguém lê…

Claro, estamos numa democracia, e cada um fala o que quer – e tem de se responsabilizar por isso. Mas é digno de nota a preocupação “patriótica” de nosso fulgurante Senador contra a ameaça que vem do Norte!

Está aberta a disputa pelo Troféu Joselito do Ano