Início > Eventos, Irã, Islã, Oriente Médio, Política, Relações Internacionais > UM GOLPE DE MESTRE DE AHMADINEJAD

UM GOLPE DE MESTRE DE AHMADINEJAD

Uma aula de Relações Públicas! Um golpe de mestre de marketing político! São algumas expressões que me vêm a cabeça quando assisti o discurso do Presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, na última segunda-feira, em uma conferência proferida na Universidade de Columbia – uma das maiores universidades norte-americanas, localizada no coração da Ilha de Manhattan, em plena Nova York…

Segundo os BUSHITS, neocons e falcões de plantão, o presidente iraniano é um dos fascínoras integrantes do chamado “Eixo do Mal” – junto com a Síria, a Coréia do Norte e outros regimes “exóticos”… Acusado de apoiar organizações terroristas e de atentar contra os interesses americanos em todo o mundo, a verdade é que o regime fundamentalista de Teerã é uma pedra no sapato do Tio Sam desde a revolução islâmica capitaneada pelo Aiatolá Khomeini nos anos 1980. Desde então, os dois países vivem às turras, e a eleição do linha-dura Ahmadinejad foi um balde de água fria para os americanos, dado movimento de lenta distensão promovido por políticos moderados capitaneados como Hashemi Hafsanjani

As opiniões do atual Presidente do Irã sobre determinados temas são, no mínimo, lamentáveis – isso para não falar outra coisa… Especialmente no que toca ao não reconhecimento do Estado de Israel – o que é justificável por motivos de política interna -, bem como a sua refutação ao holocausto judeu durante a Segunda Guerra Mundial – uma expressão inevitável de um arianismo velado… Também note-se a recente querela a respeito do programa nuclear iraniano, que eleva a tensão – como se isso não bastasse – na região do Oriente Médio… Fora as peripécias de Ahmadinejad com o nossa mala-sem-alça de plantão, o Presidente da Venezuela Hugo Chávez

O fato é que, aproveitando a Assembléia Geral das Nações Unidas, Ahmadinejad transformou uma mera visita a um país inimigo em um acontecimento midiático de proporções mundiais. Primeiro, num gesto de sagacidade política, manifestou a intenção de visitar o Ground Zero – local dos atentados de 11 de setembro -, no coração de Nova York. Segundo, ao proferir uma conferência na Universidade de Columbia, o presidente iraniano conseguiu atrair a atenção da mídia mundial para o seu discurso – bastante controverso e redundante, diga-se de passagem -, tendo como cenário todo um conjunto de manifestações de protesto e apoio (estes últimos em menor grau), dentro e fora do campus da universidade.

O fato é que Ahmadinejad utilizou-se de uma clássica afirmação das Relações Internacionais: toda política externa é a expressão da política interna de um país… Ao manifestar a sua intenção de prestar sua solidariedade às famílias das vítimas do 11 de setembro, bem como a disposição de enfrentar uma audiência americana hostil em um ambiente liberal e democrático, Ahmadinejad mostrou ao mundo inteiro não apenas a sua disposição em dialogar com o inimigo, mas também o apontar a intolerância do governo de Washington – posição paradoxal e desconfortável para uma nação que se diz plenipotenciária da democracia mundial. A simpatia do presidente do Irã no evento em tela – sorrisos breves, acenos e manifestações de boa-vontade e de aquiescência às críticas do Reitor da universidade -, jogaram para o segundo plano questões importantes tais como a garantia das liberdades individuais no regime iraniano, a intolerância religiosa, a negação do direito das minorias (“não há homossexuais no Irã…”), bem como o seu posicionamento radicalmente contrária à existência do Estado de Israel. Isso sim é que é jogar para a galera…

Para nós ocidentais, afirmações desse tipo soam perigosas e de mal-gosto. No entanto, é preciso vê-las no contexto da política interna iraniana, onde Ahmadinejad sofre crescentes críticas no front doméstico. A estagnação da economia do país, os gastos com o programa nuclear, o desemprego galopante, o isolamento crescente do Irã na comunidade internacional, e, como se não bastasse, a relação tensa dele com os clérigos xiitas exigem iniciativa e uma atitude pró-ativa por parte de Ahmadinejad. E, tal como no futebol, nada melhor para levantar o moral do que ganhar de maneira convincente na casa do adversário…

Assim como no caso de Bin-Laden, a administração Bush oferece grandes oportunidades para a reorganização da base de apoio do presidente iraniano – situada nos estudantes, intelectuais e clérigos linha-dura do regime de Teerã. A Casa Branca e a mídia raivosa deram uma ótima oportunidade para Ahmadinejad se reinventar, tal como uma Fênix, surgindo das cinzas da intolerância e da estreiteza de pensamento – aliás, algumas de suas características mais pronunciadas e compartilhadas com o seu colega norte-americano…

Aliás, diga-se de passagem, isso não tem nada a ver com a iniciativa histórica – e corajosa – da Universidade de Columbia em abrir as suas portas para esse evento. Isso demonstra a força da universidade como um espaço público e democrático de exposição e debate de idéias. Essa, no entendimento desse Escriba, deve ser a função de uma instituição de ensino superior comprometida com os destinos da política mundial e da liberdade de expressão – independentemente das posições políticas individuais tanto da sua Direção, quanto dos corpos docente e discente. Inclusive, esse acontecimento é uma bela prova de quão paradoxal é a sociedade norte-americana, e o quão sólidas são as fundações institucionais de sua democracia. Certamente, os Founding Fathers devem estar se orgulhando nesse momento…

Inclusive, não deixa de ser interessante o exercício de pensar como seria uma conferência de um presidente norte-americano em uma universidade de Teerã… (será que isso seria possível?)

O fato é que, nesse mundo globalizado e midiatizado, sem sombra de dúvida foi um tento e tanto do presidente iraniano. E, além do mais, quem disse que só os ocidentais detém o copyright das relações públicas? É muito etnocentrismo para o gosto desse Escriba…
Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: