Arquivo

Archive for setembro \30\UTC 2007

>E POR FALAR EM INCÊNDIO…

>

Que pancada o Botafogo tomou hoje no Maracanã! 3 X 0 Goiás, um tremendo chocolate em pleno Rio de Janeiro!!!

Já antes do jogo, o clima no estádio não era dos melhores! A torcida, revoltada, desfraldava faixas e entoava gritos de guerra que apontavam a falta de raça e de garra do time… “Time de frouxo”, “Que vergonha”, “Time vagabundo”, eram os mais frequentes, fora outros cânticos impublicáveis que prefiro não escrever aqui por respeito aos meus leitores…

Bola rolando, o time apático, errando passes, a torcida pegando no pé, parecia que o desastre era inevitável… E era mesmo! Saí antes do fim do jogo, mas a torcida jurava uma retaliação sem precedentes… Temo pela integridade do palacete de General Severiano! Remember Marcehal Hermes…

Em dia de incêndios no Maracanã, o negócio tá feio para o lado dos alvi-negros… Parece que os caras voltaram aos áureos tempos de sofredores!

Só para lembrar: de todas as competições disputadas esse ano, o time alvi-negro não ganhou nenhuma! E a classificação para a Copa Libertadores já parece um sonho distante…

Botafogo nisso!!!

Anúncios

E POR FALAR EM INCÊNDIO…

Que pancada o Botafogo tomou hoje no Maracanã! 3 X 0 Goiás, um tremendo chocolate em pleno Rio de Janeiro!!!

Já antes do jogo, o clima no estádio não era dos melhores! A torcida, revoltada, desfraldava faixas e entoava gritos de guerra que apontavam a falta de raça e de garra do time… “Time de frouxo”, “Que vergonha”, “Time vagabundo”, eram os mais frequentes, fora outros cânticos impublicáveis que prefiro não escrever aqui por respeito aos meus leitores…

Bola rolando, o time apático, errando passes, a torcida pegando no pé, parecia que o desastre era inevitável… E era mesmo! Saí antes do fim do jogo, mas a torcida jurava uma retaliação sem precedentes… Temo pela integridade do palacete de General Severiano! Remember Marcehal Hermes…

Em dia de incêndios no Maracanã, o negócio tá feio para o lado dos alvi-negros… Parece que os caras voltaram aos áureos tempos de sofredores!

Só para lembrar: de todas as competições disputadas esse ano, o time alvi-negro não ganhou nenhuma! E a classificação para a Copa Libertadores já parece um sonho distante…

Botafogo nisso!!!

E POR FALAR EM INCÊNDIO…

Que pancada o Botafogo tomou hoje no Maracanã! 3 X 0 Goiás, um tremendo chocolate em pleno Rio de Janeiro!!!

Já antes do jogo, o clima no estádio não era dos melhores! A torcida, revoltada, desfraldava faixas e entoava gritos de guerra que apontavam a falta de raça e de garra do time… “Time de frouxo”, “Que vergonha”, “Time vagabundo”, eram os mais frequentes, fora outros cânticos impublicáveis que prefiro não escrever aqui por respeito aos meus leitores…

Bola rolando, o time apático, errando passes, a torcida pegando no pé, parecia que o desastre era inevitável… E era mesmo! Saí antes do fim do jogo, mas a torcida jurava uma retaliação sem precedentes… Temo pela integridade do palacete de General Severiano! Remember Marcehal Hermes…

Em dia de incêndios no Maracanã, o negócio tá feio para o lado dos alvi-negros… Parece que os caras voltaram aos áureos tempos de sofredores!

Só para lembrar: de todas as competições disputadas esse ano, o time alvi-negro não ganhou nenhuma! E a classificação para a Copa Libertadores já parece um sonho distante…

Botafogo nisso!!!

>INCÊNDIO NA UERJ

>

Hoje à tarde, estava me dirigindo ao Maracanã para ver o jogo Botafogo X Goiás, passei em frente à Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) e vi o início do incêndio que afetou o bloco central da instituição. Negras colunas de fumaça vinham do segundo e terceiro andares – onde estão localizadas a Reitoria, as Sub-Reitorias e a parte de informática -, deixando o céu já nublado com uma névoa grossa e espessa…

Uma imagem melancólica, que reflete a decadência da estrutura física do local onde trabalho há pouco mais de um ano – mas que sobretudo passei a gostar e a admirar, apesar dos pesares…

Há muito tempo que a falta de investimento do Governo do Estado do Rio de Janeiro se reflete pelos corredores e andares da universidade. Para qualquer professor, aluno ou funcionário, a decadência é evidente: banheiros imundos, passarelas e praças de convivência com o concreto armado caindo e expondo a armação de ferro, bebedouros quebrados, salas depredadas, cadeiras quebradas, assaltos dentro e fora da Universidade… Não estou falando nem de falta de conforto, mas sim da ausência de uma estrutura mínima para atender as necessidades básicas de ensino, pesquisa e extensão! É de dar dó…

Além do desprezo que o Estado trata a Universidade, parcela da culpa é proveniente das sucessivas administrações incompetentes e brigas internas entre docentes, funcionários e alunos, que agravam ainda mais o quadro de desunião e dilapidação do patrimônio público. Confesso aos meus leitores que nunca trabalhei em um lugar onde Tânatos esteve (e está!) tão presente! Me parece que os interesses privados e de grupelhos particulares estão acima do interesse público, sem falar no aparelhamento partidário do movimento estudantil…

Resultado: é muito cacique para pouco índio, gerando um ambiente tóxico que é o espelho a decadência física das instalações.

Ou a universidade supera esses dilemas, com as sinecuras sendo desmobilizadas, ou então o cenário tende piorar cada vez mais…

Lembrem-se: temos eleição esse ano para Reitor e para Diretor de Unidade. Façam suas escolhas com calma e prudência, não levando em consideração os interesses pessoais de cada um, mas sim o que cada candidato pode fazer para que a Uerj retorne aos trilhos da excelência e da cordialidade acadêmicas entre os seus pares, que sempre foram as suas características mais marcantes…

INCÊNDIO NA UERJ

Hoje à tarde, estava me dirigindo ao Maracanã para ver o jogo Botafogo X Goiás, passei em frente à Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) e vi o início do incêndio que afetou o bloco central da instituição. Negras colunas de fumaça vinham do segundo e terceiro andares – onde estão localizadas a Reitoria, as Sub-Reitorias e a parte de informática -, deixando o céu já nublado com uma névoa grossa e espessa…

Uma imagem melancólica, que reflete a decadência da estrutura física do local onde trabalho há pouco mais de um ano – mas que sobretudo passei a gostar e a admirar, apesar dos pesares…

Há muito tempo que a falta de investimento do Governo do Estado do Rio de Janeiro se reflete pelos corredores e andares da universidade. Para qualquer professor, aluno ou funcionário, a decadência é evidente: banheiros imundos, passarelas e praças de convivência com o concreto armado caindo e expondo a armação de ferro, bebedouros quebrados, salas depredadas, cadeiras quebradas, assaltos dentro e fora da Universidade… Não estou falando nem de falta de conforto, mas sim da ausência de uma estrutura mínima para atender as necessidades básicas de ensino, pesquisa e extensão! É de dar dó…

Além do desprezo que o Estado trata a Universidade, parcela da culpa é proveniente das sucessivas administrações incompetentes e brigas internas entre docentes, funcionários e alunos, que agravam ainda mais o quadro de desunião e dilapidação do patrimônio público. Confesso aos meus leitores que nunca trabalhei em um lugar onde Tânatos esteve (e está!) tão presente! Me parece que os interesses privados e de grupelhos particulares estão acima do interesse público, sem falar no aparelhamento partidário do movimento estudantil…

Resultado: é muito cacique para pouco índio, gerando um ambiente tóxico que é o espelho a decadência física das instalações.

Ou a universidade supera esses dilemas, com as sinecuras sendo desmobilizadas, ou então o cenário tende piorar cada vez mais…

Lembrem-se: temos eleição esse ano para Reitor e para Diretor de Unidade. Façam suas escolhas com calma e prudência, não levando em consideração os interesses pessoais de cada um, mas sim o que cada candidato pode fazer para que a Uerj retorne aos trilhos da excelência e da cordialidade acadêmicas entre os seus pares, que sempre foram as suas características mais marcantes…

INCÊNDIO NA UERJ

Hoje à tarde, estava me dirigindo ao Maracanã para ver o jogo Botafogo X Goiás, passei em frente à Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) e vi o início do incêndio que afetou o bloco central da instituição. Negras colunas de fumaça vinham do segundo e terceiro andares – onde estão localizadas a Reitoria, as Sub-Reitorias e a parte de informática -, deixando o céu já nublado com uma névoa grossa e espessa…

Uma imagem melancólica, que reflete a decadência da estrutura física do local onde trabalho há pouco mais de um ano – mas que sobretudo passei a gostar e a admirar, apesar dos pesares…

Há muito tempo que a falta de investimento do Governo do Estado do Rio de Janeiro se reflete pelos corredores e andares da universidade. Para qualquer professor, aluno ou funcionário, a decadência é evidente: banheiros imundos, passarelas e praças de convivência com o concreto armado caindo e expondo a armação de ferro, bebedouros quebrados, salas depredadas, cadeiras quebradas, assaltos dentro e fora da Universidade… Não estou falando nem de falta de conforto, mas sim da ausência de uma estrutura mínima para atender as necessidades básicas de ensino, pesquisa e extensão! É de dar dó…

Além do desprezo que o Estado trata a Universidade, parcela da culpa é proveniente das sucessivas administrações incompetentes e brigas internas entre docentes, funcionários e alunos, que agravam ainda mais o quadro de desunião e dilapidação do patrimônio público. Confesso aos meus leitores que nunca trabalhei em um lugar onde Tânatos esteve (e está!) tão presente! Me parece que os interesses privados e de grupelhos particulares estão acima do interesse público, sem falar no aparelhamento partidário do movimento estudantil…

Resultado: é muito cacique para pouco índio, gerando um ambiente tóxico que é o espelho a decadência física das instalações.

Ou a universidade supera esses dilemas, com as sinecuras sendo desmobilizadas, ou então o cenário tende piorar cada vez mais…

Lembrem-se: temos eleição esse ano para Reitor e para Diretor de Unidade. Façam suas escolhas com calma e prudência, não levando em consideração os interesses pessoais de cada um, mas sim o que cada candidato pode fazer para que a Uerj retorne aos trilhos da excelência e da cordialidade acadêmicas entre os seus pares, que sempre foram as suas características mais marcantes…

>NET É CAMPEÃ DE RECLAMAÇÕES DOS CONSUMIDORES

>

Eu sei que muitos leitores do Pragma querem saber o resultado da minha briga com a Net/Virtua. O resultado é que cancelei o serviço do Virtua, contratei a Velox e, por incrível que pareça, o meu acesso à internet banda larga está mais rápido e sem problemas. Não vou me estender muito sobre a minha satisfação, pois temo queimar a minha língua em um futuro próximo…

Agora, parece que não é apenas esse Escriba que está tendo problemas com a Net. Saiu hoje uma notícia no O Globo On Line dizendo que a empresa assumiu a liderança no ranking das cartas de reclamações dirigidas à coluna de defesa do consumidor do jornal. A posição é histórica, posto que a empresa tomou o lugar da companhia de telefonia móvel Vivo – outra empresa campeã de audiência – que era líder desde 2004…

Em 2006, a Net ocupava a sétima posição de reclamações dos consumidores. Os problemas estão relacionados ao produto Combo (tv a cabo + Virtua + Net Fone), do qual esse Escriba sofreu o golpe. Cobranças indevidas e atendimentos não realizados também fazem parte do rol de queixas dos leitores, fatos estes que também sofri durante 1 mês e meio de problemas.

Volto a dizer que quem está falando isso não sou eu, mas sim o jornal O Globo – que é parte integrante do conglomerado empresarial das Organizações Globo, do qual a Net faz parte!

Trouxa é quem acredita nesses caras! É muita incompetência, má gestão, descaso ao consumidor e picaretagem juntas!

Boicote já!!!